fe1a643a89a3fd5f9c22b8cfca0b75e9
Ricardo Ferraço foi retirado da disputa para governador em acordo advindo do Palácio do Planalto, em 2010. No mesmo abril, agora em 2014, foi preterido para dar vez ao ex-governador Paulo Hartung. História se repetindo com os mesmos protagonistas.

Anúncios

Capa épica da FOLHA DO ES do chamado “Abril Sangrento” de 2010

Magno Malta se pronuncia no Senado contra ataques de hackers ao Século Diário

Folha do ES e Jornalista vão representar contra Justiça Eleitoral de Cachoeiro-ES

Por Jackson Rangel Vieira, jornalista

A Folha do ES, há mais de 15 anos como diário, pioneiro fora da Grande Vitória, chegando a circular com duas edições, matutina e vespertina, está preparando representação contra o juiz eleitoral Mário da Silva Nunes Neto e a Chefe de Cartório Michele Depollo por exercerem poder excessivo (abusivo), em perseguição notória e cronológica contra o jornal e este jornalista.

Com dois pesos e duas medidas, de 2008 até presente data, este Cartório se vale de denúncias infundadas para reprimir a liberdade de expressão, pessoalizando com retaliações por causa das denúncias já publicadas contra juízes anteriores e à mencionada serventuária que sentenciam e notificam “criminosamente” contra os leitores. Com prejuízos imensuráveis. Enquanto, concorrentes como A Tribuna e A Gazeta circularam normalmente! Um vexame!

Juízes e serventuários, promotores e policiais são “funcionários” dos cidadãos. Seus salários são dos contribuintes. Parece-me que optam por se autodenominaram como acima do bem e do mal nos seus gabinetes. Não aceito ser tratado como bandido, como contraventor ou algo que valha. Podem puxar as dezenas de processos contra mim e encontrarão somente ações de poderosos discriminados por matérias analíticas, opinativas e investigativas que os contrapõem.

Editorial na primeira pessoa se faz necessário. Vou representar na Corregedoria e no Conselho Nacional de Juízes (CNJ). Como jornalista eu tenho o direito de fazer circular o jornal em qualquer parte do mundo, pois hoje as fronteiras estão abertas com a era cibernética, tecnológica, digital, com o nascimento das redes sociais, onde todos são comunicadores e receptores de informação em tempo real.

Muitos magistrados e promotores precisam fazer curso intensivo de jornalismo pós-modernista. Não existe Imprensa de registro e ações entre amigos. A Justiça, exceções, tem sido injusta e sem crédito por conta de poucos que prevaricam contra os incautos, os sem voz. Eu, o juíz e a tabeliã nos encontraremos em outras instâncias. E não temo a nada, pois minha consciência está mais alva do que a neve.

Com provas testemunhais e materiais.

 

Votos brancos e nulos levantam suspeitas

Por Jackson Rangel Vieira

Poucas pessoas se perguntam qual a diferença entre os votos brancos e nulos inscritos em branco e vermelho nas urnas eletrônicas. A verdade é que não há diferença alguma. Ambos são votos inválidos. Então, porque permanecem aqueles dois botões opcionais em vez de apenas um para quem deseja jogar fora o direito de votar em um candidato?

Não justificativa louvável, com tanto investimento em cada eleição, de dois em dois anos, para a manutenção do mesmo desenho eletrônico. Sim, o voto branco já fez sentido para as chapas proporcionais, pois se juntavam para eleger o mais votado. Esta premissa já acabou há bastante tempo. O nulo sempre significou o voto protesto.

Alguém ainda pensa que mais da metade do eleitorado votasse nulo, existira a obrigação de se promover novo pleito, o que é descartado pelo TSE. Ou seja, algo inexistente, sem nenhum precedente. Contudo, a pergunta continua: por que os dois botão branco se com o nulo produzem o mesmo efeito da invalidez? Como sou desconfiado, fico conjecturando que esses votos são abusados, manipulados e exportados.

A Universidade de Brasília conseguiu, com grupo de professores e alunos, violar uma urna eletrônica subtraindo votos e deformando a computação. Ato gravíssimo que merecia mais acuidade dos guardiões da licitude das eleições. Brancos ou nulos podem muito bem serem guiados para candidatos sem levantar suspeita.

Se os brancos e nulos têm o mesmo efeito para resultado final,  o mais lógico nesta era digital seria a unificar o sentido. Do contrário, seria como a urna pudesse ofertar mais de um candidato para o mesmo cargo, o que só acontece para o Senado, numa discrepância surrealista. Por isso, nosso sistema nunca foi adotado por países do Primeiro Mundo – EUA e Alemanha, por exemplo – que preferem a contagem e conferência das cédulas.

No Espírito Santo tem um caso para ser analisado pelo TSE de ação subscrita por um candidato a deputado federal que tinha conquistado o cargo com 99% das urnas já computadas, quando num pane inexplicável em todo sistema, quando voltou a funcionar, ele tinha sido ultrapassado por um concorrente que estava bem atrás. Questão de segundos!

A unificação dos brancos nulos e brancos em única opção é o mais racional. E o voto obrigatório já deveria ter sido abolido há muito tempo. Sobre as urnas eletrônicas, elas não estão cima de qualquer suspeita.

Capa da Folha do ES Dia 19/08/2012