maxresdefault
Enio Bergoli, prometeu agir, mas nenhuma operação foi promovida até agora

O diretor do Departamento Estadual Rodagem (DER-ES), Ênio Bergoli, 53 anos, é considerado um bom técnico da pasta, mesmo com formação agrônoma. Entretanto, ele pode sujar as mãos de sangue em caso de morte com transporte clandestino no sul do ES.

A FOLHA DO ES fez matéria alertando para a anarquia de vans e assemelhados fazendo pontos e paradas em Cachoeiro de Itapemirim com linhas paralelas, hoje, com maior demanda criminosa para as cidades litorâneas. Situação vergonhosa!

Ênio, pela seriedade como se apresenta no trato da coisa pública, por enquanto, descarta-conivência dele ou de fiscais responsáveis para conter o congestionamento desses veículos que não passam por inspeção e muitos em estado degradante.

A morte ronda as estradas com o transporte clandestino de passageiros no sul do ES. O assunto é tão sério que o Congresso Nacional está em fase de aumentar a punição para quem faz uso dessa clandestinidade. Espera-se providências urgentes do diretor do DER.

*MATÉRIA DA FOLHA: CLIQUE PARA LER E ENTENDER O CASO

Projeto eleva pena para transporte clandestino de passageiros

 A Câmara analisa proposta que aumenta a pena por transporte clandestino de passageiros. O texto (PL 8566/17) é de autoria do senador Acir Gurgacz (PDT-RO).

O projeto altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB – Lei 9.503/97) para tratar de forma diferente as infrações pelo transporte irregular de pessoas e de bens.

Atualmente, as duas modalidades de transporte clandestino são classificadas como infração média, punidas com multa, apreensão e remoção do veículo. Além de fazer uma separação, o projeto altera a punição estabelecida para cada uma das infrações.

No caso do transporte não licenciado de pessoas, a infração passa de média a gravíssima. O motorista ainda pode ter suspenso o direito de dirigir e o recolhimento da habilitação.

Quando o transporte irregular for de bens, permanecem a classificação da infração como média e a penalidade de multa. O texto elimina, entretanto, a previsão de apreensão do veículo, substituindo a remoção pela retenção.

Tramitação
A proposta será analisada pelas comissões de Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, segue para apreciação do Plenário.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

Anúncios