Paulo Hartung debocha do “Outubro Rosa”

Posted on 20/10/2017

0



movimento-de-combate-a-violencia-domestica-77

Sem política pública, com muito gasto em publicidade, Hartung escarra nas mulheres

Estou estarrecido a cada ação do governador Paulo Hartung (PMDB) que se esforça para inverter sua essência de desvio de conduta moral.

Para investir pesado na mídia seletiva e movimentos eleitoreiros, percorre os municípios do Estado para lançar Campanha de Combate à Violência Contra a Mulher.

Se não fosse trágico, seria cômico. O homem não gosta de mulher: maltratou as esposas dos militares a partir de fevereiro, com brutalidade da sua guarda pessoal.

Conseguiu colocar o Espírito Santo em 6º no ranking nacional como um dos Estados mais violentos contra a mulher, da agressão física/psicológica ao feminicídio.

Sem proposição de política pública especializada, sai por ai, com a maior desfazardes, em alto custo publicitário, promovendo ações eleitoreiras em redutos, também, seletivos dos adversários.

Em agonia, perdendo controle do partido e espaço cada vez maior para os concorrentes, vai para o vale-tudo, até debochar das mulheres.

Em nenhum dos seus governos anteriores (foram dois mandatos)  e anos anteriores ao atual, empenhou-se tanto no entrosamento de campanhas do tradicional Outubro Rosa.

As mulheres capixabas continuam desassistidas, com a maioria das jurisdições municipais sem funcionar delegacias especializadas em combate à violência contra o sexo feminino.

Só no primeiro semestre foram 19 casos de feminicídios . Sem nenhum verniz na cara, o governador levanta de repente a bandeira da mulher e sai com a sua trupe de elite a enganar a sociedade, praticando auto-promoção eleitoreira de forma escancarada.

Paulo Hartung só terá crédito com as mulheres capixabas, que são a maioria da população, quando mostrar projetos ou planejamento demonstrando em estatística a queda desses crimes bárbaros contra o sexo feminino.

Do contrário, melhor permanecer no Palácio Anchieta, que já foi rosa, sem mostrar a face falsa, a de “outubro negro”, sem nenhum política pública efetiva.

 

Anúncios
Posted in: ESPECIAL