Se o homem falhar em conciliar a justiça e a liberdade, então falha em tudo.

Albert Camus

Existem árbitros de futebol sem nenhuma condições de apitar clássicos ou determinados jogos de grandeza que exigem determinado perfil do juiz, para suportar a pressão. Com essa premissa analógica, na minha opinião, o juiz Marcelo Noto não tem os atributos necessários para ser titular das demandas da Comarca do Município de Presidente Kennedy, Espírito Santo.

Nos últimos meses, em decorrência da acirrada luta entre dois grupos políticos na cidade, e da necessidade de celeridade do julgamento de processos envolvendo a quadrilha política presa em 2013 – hoje respondendo em liberdade -, com personagens enigmáticos e envolvimento emocional com integrantes da mesma até nas redes sociais, além de processar e brigar literalmente com jornalistas, o togado está fora de controle.

Se o Tribunal de Justiça do Espírito Santo não tomar providências, os munícipes daquele cidade estarão perto do caos jurídico anunciado. A comarca precisa de diligências e auditorias urgentes. A postura do magistrado não corresponde com o regimento interno da magistratura  ou estatutos (LOMAN).

Anúncios