O senador Magno Malta (PR) já perdeu o pudor e há quem curta sua retórica falsa de anti-corrupto. Ele é o o criminoso desde os fins dos anos 90 quando recebia dinheiro do erário do crime organizado do ES para a sua Associação Vem Viver.

O dinheiro era repassado pelo presidente da Assembléia José Carlos Gratz e seu diretor-geral da época, André Nogueira, presos por muito tempo no início dos anos 2000, como mentores de uma quadrilha política.

Para não ser pego em flagrante, após o maior escândalo de corrupção do Estado, Malta queimou o livro de contabilidade de sua instituição para não constar a fumaça do crime como corrupto.

O jornalista Sérgio Neves fez a divulgação e foi processado pelo senador. O colega venceu com sentença de absolvição do magistrado Evandro Coelho. A grande Imprensa, como sempre, A Gazeta e A Tribuna, abafou o caso, como de geral em outros casos.

Eis a cópia de alguns cheques de dezenas de cheques com avalização no verso do senador que na época era deputado estadual. Nunca deixou de ser mão grande.

22222cats

cheque 1
Foram dezenas de cheques dos contribuintes que caíram na conta do projeto Vem Viver do senador, sendo ele deputado beneficiário.

Anúncios