*Por Jackson Rangel Vieira

A Câmara de Cachoeiro de Itapemirim-ES é um serpentário com fantasmas que assustam o bolso do contibuinte. A  pocilga da imoralidade não se restringe aos supersalário de parte do grupo de servidores beneficiados por leis criadas só para eles. Mas, de como se formou este exdrúxulo quadro de cargos e salários que existe sob os escombros escondido da consciência do povo, cujo poder dele emana, como está no pedestal da Carta Magna.

Proporcionalmente, ao espaço físico, com mais ou menos 20 salas, os servidores ecotoplasmas, em mais de 160, não conseguiriam ocupá-las nem se revesassem em 4 turnos. A folhadoes.com, portal de notícias on line, abriu a caixa preta, com os salários reais de outubro, forçando a direção da Casa divulgar lista oficial um pouquinho maquiada, mesmo assim sem-vergonha, de uma assessoria arrogante e despreparada.

Destacando a primeira pessoa na condição de autor destas linhas, minha esposa trabalhou lá antes desta Legislatura e trabalha ainda. Vou repetir, trabalha! Todos os dias no horário imposto dentro da carga horária. Ela está insatisfeita comigo por denunciar seu local de trabalho. Esboçou isto, alegando que tem muitos funcionários que obreiam rotineiramente lá. Compreendo e bem sei disto! Contudo, a exposição da imoralidade é para os maus servidores e os demais  comensais.

Nesta luta honrada de mostrar as vísceras do Poder Legislativo de Cachoeiro, não muito diferente do resto do País, ainda tem o clássico apadrinhamento e troca de interesses com o Executivo. Deveria haver lei que proibisse no País de deputados , senadores e vereadores – parlamentares – de se tornarem ministros e secretários. Isto é uma ofensa ao povo. O parlamentar, para abrir vaga ou receber recompensa legal, fora do contrado com o eleitor, vira empregado do Poder que deveria fiscalizar.

Voltando aos vereadores de Cachoeiro e os funcionários, em certos casos, alguns servidores marajás mandam nos vereadores e comandam o Poder Legislativo. Aguns vereadores viram fantoches nas dissimulações, emulados por eles de forma grotesca e vergonhosa. O presidente do Legislativo só tem de responder uma pergunta. Aonde estão os 167 trabalhadores, sua mesas e sob à chefia de quem?

Estou me contendo para não ir além do necessário sobre o rasgo do propinário, com os mesmos requintes do Congresso Nacional, envolvendo Poder, Sexo e Dinheiro. Para vencer a presidëncia, o vice-presidente sabe, o Chefe do Poder Legislativo assinou documento e pediu aos colegas apoiadores de sua eleição que o respaldassem com também assinaturas, comprometendo-se moralizar¨ a Câmara nos vícios de conduta no sistema funcional. O Legislativo piorou! Virou de hora para outra cabide de emprego ocupados por cabos eleitorais em maioria da presidência.

Tenho mais a escrever. Minha inspiração vem muita da adversidade! Paro por aqui, porque não me sinto provocado a mais!

*Jackson Rangel Vieira é jornalista e diretor da Editora LEIA

Anúncios