Nestas eleições, Deus está tendo uma participação incisiva na cabeça dos religiosos. Papel menos nobre está figurando os “evangélicos”. Enquanto os católicos não abrem mão de seus dogmas, os “protestantes”, divididos, promoverem passeatas em favor da petista Dilma Roussef.

 Afinal, os chamados “crentes” querem virar partidos políticos – algumas siglas são deles -, para defender o que? Cargos públicos! Leio os jornais e me entristeço, vendo pastores se propondo organizar fóruns para estabelecer estratégias de campanha. Os cristãos têm dificuldades até para organizar cruzadas para evangelizar, sua função precípua, mas se arvoram em distribuir santinhos de homens! O poder infernal subiu à cabeça dos sacerdotes.

 Jesus Cristo só não se remove no túmulo, porque está vivo, ressuscitou! Elas por elas, os católicos estão sendo mais sensatos neste momento histórico. Listaram valores absolutos e orientam as ovelhas não votarem contra estes princípios. Os evangélicos não descriminalizaram nada e querem defender a candidata Dilma Roussef sem fundamentação e, alguns, porque estão coligados partidariamente. Evangelho tosco.

 Mas, segundo a Palavra de Deus (Mateus 24:24), nada disso, politicagem, é para surpreender os eleitos. O pior está por vir. Quem é cidadão do céu, bem verdade, tem sede e fome de justiça, mas não de defender a dubiedade, o poder vigente e sua força. Não vi evangélico se indignar com a corrupção renitente. Os católicos, além de não permitirem seus sacerdotes se candidatarem, não fogem ao exercício de cidadania e nem pregam que seus fiéis devam ser alienados.

 Os católicos erram, também, e se deixam contaminar por forças politiqueiras, mas não falo das exceções. Os evangélicos, confesso não gostar muito desta designação – prefiro cristão -, envergonharam-me nas eleições de modo geral. Vi pastores, depois do culto, fazendo boca de urna, completamente a paisana, sem a autoridade eclesiástica. Ruborizei. Não radicalizo a participação de religiosos na política, contudo necessária seja uma inserção com motivos nítidos para maior agressividade de luta.

 Se há esta fundamentação de indicar candidatos, aos que parece, não está do lado pelo qual se ajuntam “caciques”, donos de ovelhas. Em linhas gerais, sem questionar o Reino de Deus e sua Justiça no coração de quem quer seja, mas, os católicos estão, no País, demonstrando como se defende causas em favor da Igreja, enquanto os evangélicos patinam nos misticismos messiânicos.

Escreves isto porque você vota em Serra? Não, porém revelo que não voto em Dilma!

Anúncios