Sobre as pesquisas, recentemente, divulgadas, sempre se exige alguma análise. Para governador, antes mesmo da troca do senador Renato Casagrande (PSB) no lugar do vice Ricardo Ferraço (PMDB). O socialista já demonstrava pegada para avançar. Isolou nas alianças Luiz Paulo (PSDB), que está, ainda, sem discurso e perdeu a oportunidade de se opor a tudo posto em termos de estrutura de pode. Não fez, estagnou.

O resultado que chama mais atenção é da disputa para o senado. Particularmente, o recall de Guerino Balestrassi, de 10,1%, sem apoio de ninguém, prescrito e ignorado. Fico a imaginar se o líder político do PV tivesse as condições dos seus concorrentes. Outra surpresa é a rejeição da deputada federal Rita Camata, de 25%, quase perto dos seus 36,9% de aprovação. Em termos de números, a mensuração enigmática é esta.

E sobre a disputa das primeiras colocações, em que o peemedebista Ricardo Ferraço se consolida na liderança com 56,1%, num empate técnico com o republicano Magno Malta, com 53,1%. E sobre essa concorrência, em particular, existe algo entre a terra e o céu, que um simples mortal, às vezes, não entende e, para voto na urna, nem precisa.

A verdade reside num conluio de poder contra o senador Magno Malta. O governador, em parceria com Gerson Camata, agenda entrar em campo para tirar o primeiro e o segundo voto de Magno, para transferi-los para a deputada Rita Camata. A estratégia não é burra e pode funcionar. E teria de contar com a conivência de Ricardo e Casagrande. Pode funcionar!

Por outro lado, Rita Camata pode ser o Ricardo Ferraço da campanha ao senado da última eleição. Mas, tem-se de lembrar ser um risco para o vice-governador, novamente. A candidatura de Magno arrancando com mais de cinqüenta por cento, quando ele começar a campanha e suas andanças, a tendência é crescer. E Ricardo Ferraço optando pelo plano de se juntar aos Camata, pode ele, correr o risco de ficar desidratado.  

É briga de cachorro grande. Eu, particularmente, fecharia o olho, no lugar de Ricardo e Magno, fechando a dobradinha, independente da vaidade de quem será o mais votado. Certificado de garantia. Melhor do que optar por um plano de exclusão e vingança do governador Paulo Hartung contra o ícone do PR, que se permitiu ao destino ficar exposto para satisfazer dois aliados, prefeito de Vila Velha, Neucimar Fraga (PR), e o prefeito da Serra, Sérgio Vidigal (PDT).

O retrato do momento é simplório: Casagrande é governador. Ricardo Ferraço e Magno Malta são senadores. Contudo, retrato do momento não é resultado do futuro. Já vi 1% ganhar de 100%. Ricardo e Magno, juntando as iniciais dá RIMA.

 

Anúncios