Ricardo Ferraço correto em exigir dignidade de volta

Posted on 03/05/2010

2



No último dia 28 de abril, o governador e seu vice Ricardo Ferraço deram uma coletiva a imprensa onde declararam que a partir daquele momento, Ferraço não seria mais candidato, e o governador Paulo Hartung do PMDB apoiaria o senador Renato Casagrande (PSB. Cinco dias após, hoje, Ricardo Ferraço já refeito do susto que lhe foi de certa forma “imposto”, reage e diz que ” quero restaurar minha dignidade” , no encontro do PMDB.

A reunião do partido aconteceu em um cerimonial e integrantes do PMDB exibiam faixas com os dizeres “Ricardo você é o nosso candidato. Reaja!”
O vice-governador do Espírito Santo, Ricardo Ferraço (PMDB), reagiu nesta segunda ainda nessa manhã(03) resolveu reclamar à substituição de seu nome pelo do senador Renato Casagrande (PSB) para a candidatura ao Palácio Anchieta. Ele como de resto todo o Espírito Santo, viu seu nome ser preparado por mais de um ano para suceder o governador Hartung (PMDB), e derepente foi preterido na disputa eleitoral desse ano.

O vice-governador deixou claro que não vai mais disputar o governo estadual. Quanto à candidatura ao Senado que recebeu o apoio de Hartung, ele informou que a decisão ficará por conta do partido. “Preciso me colocar com absoluta altivez e soberania neste processo. Se for candidato ao Senado, minha candidatura não terá dono”, afirmou.

O vice-governador chegou a reunião do partido acompanhado de amigos, militantes e cerca de mais de 100 correligionários em um carro particular. Ao seu lado, amigos de longa data como o prefeito de Linhares, Guerino Zanon, e também o presidente do PMDB no Estado, o deputado Federal Lelo Coimbra, Ferraço estava sério e visivilmente abatido.

Ricardo Ferraço fez um pronunciamento rápido, suscinto de mais ou menos 20 minutos, onde explicou os motivos de ter permitido a retirada de seu nome da disputa ao governo. “Quando eu percebi que não era mais o candidato a governador do governo, comecei a repensar se esta candidatura valeria a pena, se faria sentido. A imprensa costuma chamar o mês de abril de ‘abril vermelho’, mas para mim foi um ‘abril sangrento’. Eu sangrei e todos sabem o porquê. Porque o fogo amigo me corroeu. A esta altura da minha vida, tudo que quero é restaurar minha dignidade”, destacou Ferraço.
Ricardo relembrou o trabalho de construção da aliança em torno de seu palanque e a busca da viabilização de sua candidatura nos últimos dois anos. “Nossa candidatura era competitiva e formamos o maior leque de alianças”, avaliou.

No final do discurso, o vice-governador foi cumprimentado pelo presidente regional do partido, deputado federal Lelo Coimbra, e pelo prefeito de Linhares, Guerino Zanon, um dos principais articuladores da sigla.

Sobre a disputa ao governo, Lelo disse que o assunto está fora de cogitação. “Não há perspectiva de nós termos um candidato ao governo. Esta área está zerada. Vamos trabalhar daí para baixo”, pontuou. O deputado brincou dizendo que o grupo já tem algumas peças, mas que o computador foi reinicializado.

Outra proposta foi a de manter as conversas com os partidos que fazem parte da base aliada do governador Paulo Hartung, mantendo a candidatura de Ricardo Ferraço ao Senado. O vice-governador, embora não confirme a entrada na disputa, afirmou que vai acatar a decisão do partido.

Ao falar sobre o assunto, Ricardo disse que, se for candidato ao Senado, sua candidatura não terá dono. Ao ser questionado sobre quem seria o “dono” a que se referia, o vice-governador não se explicou.

Postado por Bebel Mendonca às 14:17 ( texto extraído do blog http://www.izamendonca.blogspot.com/)
Anúncios
Posted in: ANÁLISE, ESPECIAL