Três candidatos ao governo do ES e um destino


 

Ao chegar de abril, pode-se analisar a sucessão estadual, na majoritária, por algumas vertentes. O nível dos pré-candidatos a governador é excelente. Os capixabas estão em condições favoráveis para ir ás urnas. Ricardo Ferraço (PMDB), Renato Casagrande (PSB) e Luiz Paulo (PSDB) apresentam formulações de idéias de fácil compreensão e são conhecidos da população.

Ricardo Ferraço foi o primeiro a lançar pré-candidatura, no final das eleições municipais de 2008. Alguns tiveram como pré-matura o seu lançamento no mercado eleitoral. E mais afoitas as alianças com PT, PR e PDT, sem deixar espaço de visibilidade para demais forças políticas. Essas versões provocaram no limiar deste ano as contrações e até antíteses em resposta à tese peemedebista de sair na pole position é chegar na frente.

Renato Casagrande se sentiu discriminado no grupo do governador Paulo Hartung desde o primeiro momento do fechamento das alianças primeiras do vice-governador. Pensando em 2014, na sua reeleição, exercitou o entendimento da precisão de movimentar o capital eleitoral.

 De uma simples movimentação denominada “Senado lado a lado”, de prestação de contas, virou um processo de campanha bem sucedida. A sua decisão, definitiva, de ser candidato é determinante sobre a possibilidade de segundo turno, pelas pesquisas. Virou fantasma rondando o Palácio Anchieta. Pode-se até ousar em afirmar: o resultado eleitoral dependerá do socialista.

Luiz Paulo Velloso Lucas, deputado federal, foi “convidado” para ser o adversário de Ricardo Ferraço, talvez, por considerá-lo um político mais centralizado, regionalmente. O tucano tem densidade eleitoral em Vitória, capital, onde já foi prefeito. Pensando assim, tão somente, fica parecendo fácil vencer um adversário menos cosmopolita. Entretanto, tem a seu favor o forte palanque de José Serra, lançado pré-candidato a presidente da República.

Além de predicados importantes e credenciais indispensáveis a um pré-candidato a governador (conhece Paulo Hartung há 40 anos e expoente nacional pelo PSDB), Luiz Paulo pode ser o chamado “azarão”. Sua potencialidade de disputa se dará na cédula casada com Serra e na retórica pelas mídias disponíveis. Tem QI acima da média e, portanto, discurso competitivo. Alta confiança e reconhecido analista político em temas de alta complexidade.

A eleição do Espírito Santo tem outros ingredientes coadjuvantes, mas determinantes para mudar cursos durante a campanha. Por exemplo: a militância petista; a influência de Hartung; e o messianismo de Mango Malta entre o povo cristão. Pode-se dizer, que a eleição majoritária será decidida no detalhe como num clássico de futebol.

 

 

 

Anúncios

3 comentários em “Três candidatos ao governo do ES e um destino

  1. Parabéns, excelente análise, principalmente quando informa “tem a seu favor o forte palanque de José Serra e em “sua potencialidade de disputa se dará na cédula casada com Serra”. Pura realidade.

    Curtir

  2. gostaria de saber qual são os candidATOS COTADOS PARA GANHAR AS ELEIÇÕES 2010 PARA DEPUTADOS ESTADUAIS PELO PSB,OS PROVAVEIS ELEITOS?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s