RELIGIÃO
Polêmica em torno de chá após morte de cartunista .Santo Daime é um chá originário da floresta Amazônica, também conhecido como ayahuasca. Durante milhares de anos, a bebida foi utilizada pelos povos nativos da floresta, tanto em cerimônias espirituais quanto em práticas xamânicas e terapêuticas. Atualmente, é consumido por seguidores da doutrina do Santo Daime, criada por Raimundo Irineu Serra, um seringueiro de origem maranhense. A Alto Santo, Barquinha, Cefluris e União Vegetal também consomem a bebida cor de terra e com gosto amargo de propriedades alucinógenas preparado a partir do cipó jagube macerado e da folha de chacrona fervida, originárias da própria floresta. 

 

A doutrina do Santo Daime é genuinamente brasileira e mistura crenças e símbolos do catolicismo, do candomblé, do espiritismo e do judaísmo, tendo o português como a língua oficial. É a doutrina seguida pelo cartunista Glauco Villas Boas, morto no início de março por um dos frequentadores da Céu de Maria, comandada por Glauco.

Após sua morte, surgiu a polêmica sobre os efeitos do chá, já que a família do suspeito por sua morte, Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, de 24 anos, afirmarem que ele teve uma piora em seu estado de saúde após começar a frequentar a igreja e conhecer o Daime.

Os advogados de Cadu deverão adotar essa versão acima como uma das linhas da defesa do estudante: a de que ele teve agravado seu quadro de esquizofrenia após ter tido contato com a igreja e o Daime.O chá induz a estados alterados de percepção e o seu consumo pode provocar vômitos e diarreia.

Segundo os daimistas, após a limpeza do organismo, atinge-se um estágio no qual se entra em contato com o Espírito Santo e tem início um processo de autoconhecimento e melhor compreensão do mundo. No país, um turista chega a pagar US$ 1.000 para provar a bebida.

 
Anúncios