Contagem regressiva para o reinício


 A partir de algum momento, o cronômetro é acionado. Deixa-se de crescer, preparando-se para o renascimento. Nada surpreende. Tudo debaixo do céu é natural. Não há fenômenos para acrescentar ao relógio com ponteiros regulando inversamente. A esperança não vem mais da vida, mas da reavida.

As regras são já definidas, entre epicureus, pelos prazeres como ápice da existência e os estóicos, pela rigidez das leis morais, implacáveis com a fraqueza da carne, entre tantos filos, o respirar é apenas um detalhe. Nasce-se, chorando pelo desconhecido. Finda-se, em geral, de igual modo, pelo conhecido.

 Não se consegue conhecer a si mesmo. Se fosse possível, a maldade seria evitada. Não se conhece muito menos que caminha com você, pois se fosse possível, todos estariam desvendados e os eventos benignos seriam mais atraentes, sem exigir esforço. Contudo, a vida é um espetáculo inigualável. Sem fim.

 Relato assim narrado, prolixo de propósito, melancólico pelos olhos de alguns como no apreciar quadro abstrato, vendo o que deseja ver, bem como efusão de otimismo, pela exaltação à eternidade, torna-se algo pessoalíssimo, intimista, de patrimônio somente do autor. Mas, à disposição de qualquer observador.

 A gente olha para o céu, fascinada. Olhar para a terra, por onde anda os pés, é menos interessante, porque, geralmente, caminha por descaminhos do coração, gestando dores e lágrimas. As galáxias são distantes, formatam esperança, sem mencionar beleza inalcançável. Entre mitologia e a biologia, o que vem do espaço estimula o córtex.

 Depois de chegar até estas últimas palavras, mais provável tenha perdido seu tempo, o mesmo do pêndulo retroativo. Somente o presunçoso escritor se beneficia da sua própria tese, não podendo ser contestado por não vendeu seus direitos e ninguém os compraria, pois não tem valor, estimado apenas para os apreciadores do óbvio.

Anúncios

3 comentários em “Contagem regressiva para o reinício

  1. O jornalista cubano Guillermo Fariñas, em greve de fome desde 24 de fevereiro, está “fraco e muito desidratado”, mas manterá seu protesto “até as últimas consequências”, revelou o próprio dissidente à AFP.
    EFE

    Jornalista cubano Guillermo Fariñas
    “Estou muito fraco, mas não tem volta, não recuo. Vou até às últimas consequências”, disse Fariñas, que faz a greve de fome em Santa Clara (centro) para exigir a libertação de 26 presos políticos cubanos que estão doentes.

    Dissidentes cubanos moderados pediram ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que interceda pela libertação dos presos políticos e evite assim a morte de Fariñas.

    O jornal cubano Granma, órgão oficial do Partido Comunista, qualificou a greve de “chantagem” inaceitável.

    “Com isto, Fidel e Raúl Castro estão propondo um desafio à dissidência, de que não somos capazes de ser patriotas e ir até as últimas consequências”, disse o jornalista, de 48 anos.

    Fariñas sofreu na quarta-feira passada um choque hipoglicêmico e foi hidratado e alimentado por via intravenosa em dois hospitais de Santa Clara.

    Segundo Ismel Iglesias, médico particular do dissidente, Fariñas “está muito desidratado”, com os “lábios secos e rachados” e “uma constante dor de cabeça”.

    “Sua condição física se deteriora e a partir de amanhã (quarta-feira) poderá sofrer um choque a qualquer momento”, advertiu Iglesias.

    O dissidente, que iniciou seu protesto pouco depois da morte do preso político Orlando Zapata, após dois meses e meio de greve de fome, rejeitou na segunda-feira uma proposta de asilo político na Espanha, realizada por um diplomata espanhol.

    Fariñas também negou os pedidos de Madri e de opositores cubanos para que desista da greve de fome e poupe sua saúde.

    Jackson o Lula, lá apóia isso…. Nosso Presidente é um insano, mostra ai no seu Jornal.

    Curtir

  2. Lula faz defesa de Justiça cubana e recebe críticas no Brasil

    O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, pediu, nesta terça-feira, em entrevista dada à agência de notícias Associated Press, respeito às determinações da Justiça cubana nos casos relacionados à detenção de opositores e comparou os presos políticos da ilha a criminosos comuns. As declarações foram feitas no dia em que um grupo de dissidentes do regime comunista pediu a Lula que interceda pela libertação de 20 presos políticos.
    “Temos de respeitar a determinação da Justiça e do governo cubano, de prender as pessoas em função da lei de Cuba, assim como quero que respeitem o Brasil”, disse Lula em entrevista. “Gostaria que não houvesse (a detenção de presos políticos), mas não posso questionar as razões pelas quais Cuba os deteve, como tampouco quero que Cuba questione as razões pelas quais há pessoas presas no Brasil”, acrescentou.
    A declaração de Lula foram consideradas “oportunistas” e “incoerentes” por parlamentares das comissões de Relações Exteriores da Câmara e Senado e também pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Para o deputado Raul Jungmann (PPS-PE), Lula erra ao comparar os presos comuns dos presídios brasileiros com os detidos em Cuba por crimes políticos.
    “É mais do que oportunismo, é de um cinismo atroz. Jamais compare alhos com bugalhos. É preciso denunciar a situação caótica dos presídios brasileiros, mas também devemos ter coragem de condenar o tratamento aos presos cubanos”, afirmou o deputado, integrante da Comissão de Relações Exteriores da Câmara.
    O presidente da comissão, deputado Emanuel Fernandes (PSDB-SP), compartilhou do mesmo discurso. “O Brasil tem que ser contra a prisão política. Todo o esforço do País em ter uma política externa de relevo vai por água abaixo com esse discurso do presidente”, afirmou. Segundo Fernandes, o tema pode ser discutido na primeira reunião da comissão, marcada para esta quarta-feira.
    Jungmann criticou ainda a declaração em que Lula afirma que não vai se intrometer na legislação, muito menos na Justiça cubana. Segundo o deputado, Lula interveio em Honduras porque acreditava que o presidente deposto, Manuel Zelaya, sofrera um golpe da “direita”, embora tenha sido deposto judicialmente. Mas no caso de Cuba, uma “ditadura de esquerda, Lula diz que não se intromete”.
    O presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), classificou de “incoerente” a declaração sobre não intervenção. “Tivemos uma ação de interferência na Itália, quando ele não quis extraditar o terrorista Cesare Battisti. É uma posição ao sabor dos ventos”, frisou o tucano. “Acredito que o presidente esteja sendo incoerente com o seu passado. Não é possível comparar preso político com criminoso comum”, afirmou.
    A posição dos parlamentares foi seguida pelo presidente da OAB nacional, Ophir Cavalcante. “É uma questão de viés ideológico. A leitura que o governo Lula faz do regime de Cuba é de que é um governo popular e socialista e estaria legitimado. Nossa sociedade tem outra formação que não condiz”, afirmou. “Parece que o presidente confunde a greve com fins políticos com greve de fome feita por criminosos comuns. É uma comparação que não tem cabimento. Eu não sei que finalidade há por trás disso, mas essa é uma comparação sem nenhum tipo de fundamento”.

    Isso é que é líder político e ainda o chamam de “o cara “ eu tenho vergonha de ser Brasileiro, nessas horas, alguém tem que fazer alguma coisa, tem muito cristão morrendo nesse inferno chamado Cuba. E Ele ainda quer colocar Dilminha no lugar dele, mostra ai Jackson quem é esse Agnóstico, que tem muito cristão que ainda vota Nele.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s