A partir de algum momento, o cronômetro é acionado. Deixa-se de crescer, preparando-se para o renascimento. Nada surpreende. Tudo debaixo do céu é natural. Não há fenômenos para acrescentar ao relógio com ponteiros regulando inversamente. A esperança não vem mais da vida, mas da reavida.

As regras são já definidas, entre epicureus, pelos prazeres como ápice da existência e os estóicos, pela rigidez das leis morais, implacáveis com a fraqueza da carne, entre tantos filos, o respirar é apenas um detalhe. Nasce-se, chorando pelo desconhecido. Finda-se, em geral, de igual modo, pelo conhecido.

 Não se consegue conhecer a si mesmo. Se fosse possível, a maldade seria evitada. Não se conhece muito menos que caminha com você, pois se fosse possível, todos estariam desvendados e os eventos benignos seriam mais atraentes, sem exigir esforço. Contudo, a vida é um espetáculo inigualável. Sem fim.

 Relato assim narrado, prolixo de propósito, melancólico pelos olhos de alguns como no apreciar quadro abstrato, vendo o que deseja ver, bem como efusão de otimismo, pela exaltação à eternidade, torna-se algo pessoalíssimo, intimista, de patrimônio somente do autor. Mas, à disposição de qualquer observador.

 A gente olha para o céu, fascinada. Olhar para a terra, por onde anda os pés, é menos interessante, porque, geralmente, caminha por descaminhos do coração, gestando dores e lágrimas. As galáxias são distantes, formatam esperança, sem mencionar beleza inalcançável. Entre mitologia e a biologia, o que vem do espaço estimula o córtex.

 Depois de chegar até estas últimas palavras, mais provável tenha perdido seu tempo, o mesmo do pêndulo retroativo. Somente o presunçoso escritor se beneficia da sua própria tese, não podendo ser contestado por não vendeu seus direitos e ninguém os compraria, pois não tem valor, estimado apenas para os apreciadores do óbvio.

Anúncios