18687821                                       

   Sou evangélico praticante. É!. Ser evangélico exige o verbo em ação, porque o pósmodernismo tem exaltado falsos profetas e matado os cristãos que precisam crescer na graça e no conhecimento.  Muitos estão refém de liturgia mercantilista, em que se oferece todo tipo de produto para preenchimento da alma. Jesus Cristo já não é mais suficiente. As igrejas, com isso, estão cheias de cadeirantes, aleijados espiritualmente.

Em Nome de Deus, os falsos profetas já não pregam a vida eterna, mas exaltam a vida terrena, defendendo teologia imediatista, inibidora do exercício da fé. As peripécias de pregadores extrapolam ao sobrenatural e se servem da mentira, engordam-se dela, esquecendo-se de pregar a Verdade que Liberta, como recomenta o único manual para se comrpeender a vontade do Criador: a Bíblia. É necessário seguir o conselho de São Paulo: Examinai tudo, e retém o que é bom. Está vexatório!

Pregadores cobram cachê para subir no púlpito, estabelecido por agenciamento, num profissionalismo que de longe lembra um pastor de ovelhas, que dá a sua vida por elas. Outros , desavergonhadamente, aniquiliam a fé de fiéis por prometerem teologias terrestres, utilizando a Bíblia, que segundo São Pedro, não é de livre interpretação. Sem Espírito Santo, que intercede por nós, é um livro comum. Então, proliferam as seitas, facciosas, e prestando deserviços ao Reino de Deus.

No Brasil, andaço desses perneciosos reinos terrestres implantados sob areia movediça está dragando a boa fé de pessoas humildes. Atrás de cura, de prosperidade financeira, libertação – menos de salvação – , são submetidas a humilhações anti-bíblicas. Envergam-se em crer no imediatismo, enquanto Jesus Cristo morreru na cruz para dar vida e vida em abundância num sisterma de governo fora dessa dimensão atmosférica. Senão, de nada valeria a vinda do Filho do Homem.

Pregadores televisivos, com exceções, são os mais abusadores e propagadores dessa pirotecnia religiosa, numa miscelância que só produz dúvida em vez de fé. Falsa esperança. Emocionalismo e desenfreada susgestão técnica de convenciomento e não de conversão. Por isso, encontram-se pelas ruas, infelizmente, muitos ex-crentes. Desapontados e infelizes porque entraram na porta de “igrejas” blasfemadoras e de fachada, anunciando um Cristo morto e o inferno iminente com palavras doces.

Os falsos profetas existem. Estão em pleno exercício de suas funções. Eles não carregam uma marca na testa, portanto, para conhecê-los de ficar afastados de suas doutrinas, só existe uma receita: conhecer a Palavra, sem não antes aceitar Jesus Cristo como Salvador e Senhor, recebendo o Consolador para interpretar por nós a verdade, perfeita e santa vontade de Deus.

Anúncios